Participants

Contact & Activities

Participating city

Alfândega da Fé
5.475 inhabitants

Local contact

Divisão de Urbanismo e Ambiente
Carina Teixeira
Largo D. Dinis
Alfândega da Fé
++351 279468120

Participation 2017

The participant is committed to:

Organising a week of activities, taking into account the focal theme.
Actions relative to the theme:
Durante a Semana Europeia da Mobilidade pretende-se desenvolver as seguintes atividades:
- Ação de indução aos colaboradores do Município | Boas práticas na condução;
- Campanha de indução (via-email) | Incentivo à deslocação pedonal;
- Ciclo-passeio
- Mobilidade Sustentável no Desporto | Jogos iterativos.
- BurroMobil (Passeio de Burro)
Carrying out a Car-Free Day event by closing one or more streets to traffic, and opening it to pedestrians, cyclists and public transport. This should preferably happen on 22 September to mark your town or city as part of World Car-Free Day.
Zone opened to residents on Car-Free Day:
Encerramento da Praça do Município 5350-017 Alfândega da Fé
Implementing one or more new permanent measure(s), which contribute(s) to modal transfer from private car to environmentally sound means of transport.
Permanent measures implemented this year:
Pedestrianisation
  • Other: Melhoria de infra-estruturas (pavimentos, passadeiras)
More details on permanent measures:

1. Melhoramento do espaço público e infraestruturas de apoio - Centro Histórico de Alfândega da Fé
Descrição: O Município de Alfândega da Fé tem como foco eliminar as barreiras arquitetónicas e modernizar o espaço público da localidade (pavimentos, sinalização, mobiliário urbano e infraestruturas de apoio), promovendo assim melhor acessibilidade aos habitantes locais e aos visitantes da região. Assim sendo, este projeto iniciou-se no Centro Histórico de Alfândega da Fé.
Objetivo: Eliminar as barreiras arquitetónicas de forma a melhorar a acessibilidade;
Melhorar os diferentes trajetos de mobilidade para que as pessoas usufruam do espaço sem exclusões; Diminuir o trafego motorizado (Zona de Convivência).
Resultado esperado: O pavimento e os passeios deixaram de ser uma barreira para mobilidade e o tráfego rodoviário passou a ter só um sentido com intuito de diminuir o trafego, na maior parte da zona envolvente.Com este processo verificou-se que as zonas “esquecidas”, tornaram-se zonas de acessibilidade e zonas de convivência para a população urbana.
2. Implementação do Plano de Acessibilidades — RAMPA
Descrição: No âmbito do projeto RAMPA (Regime de Apoio aos Municípios para a Acessibilidade), em 2012/2013 o Município de Alfândega da Fé elaborou o Diagnóstico e o Plano de Promoção da Acessibilidade – “Alfândega Inclusiva”.Em 2016, e perante a inexistência de financiamento para o efeito, o Município iniciou a implementação do Plano de Acessibilidades ao nível do espaço público, introduzindo várias melhorias da mobilidade pedonal. As intervenções, por administração direta, sucederam-se pontualmente em vários arruamentos da Vila, através da eliminação de barreiras arquitetónicas, rebaixamento de passeios, novos passeios e passadeiras para peões, sinalética específica para peões, etc.).
Objetivo: Estabelecer uma nova estratégia em torno do planeamento urbano e da acessibilidade, abrangendo 5 áreas transversais: Espaço Público, Edificado, Transportes, Comunicação e Design/Infoacessibilidade.
Resultado esperado: Melhorar o ambiente e aumentar a qualidade de vida de todos os cidadãos que vivem e trabalham em Alfândega da Fé (2.100 pessoas), bem como a população visitante/turistas.
3. Melhoramento do espaço público e infraestruturas de apoio - Centro Cívico de Alfândega da Fé
Descrição: O Município de Alfândega da Fé tem como foco eliminar as barreiras arquitetónicas e modernizar o espaço público da localidade (pavimentos, sinalização, mobiliário urbano e infraestruturas de apoio), promovendo assim melhor acessibilidade aos habitantes locais e aos visitantes da região. Assim sendo, este projeto iniciou-se no Centro Cívico de Alfândega da Fé.
Objetivo: Eliminar as barreiras arquitetónicas de forma a melhorar a acessibilidade;
Melhorar os diferentes trajetos de mobilidade para que as pessoas usufruam do espaço sem exclusões; Diminuir o trafego motorizado (Zona 30).
DUA│ Setor de Ambiente 2 de 2
Resultado esperado: O pavimento e os passeios deixaram de ser uma barreira para mobilidade e o tráfego rodoviário passou a ter só um sentido com intuito de diminuir o tráfego, na maior parte da zona envolvente.Com este processo verificou-se que as zonas “esquecidas”, tornaram-se zonas de acessibilidade e zonas de convivência para a população urbana.